Azar é sorte

Tudo empilhado. Uma lista de tarefas a serem feitas e nenhum (eu disse nenhum!) "ok!" para me tranquilizar. A culpa é minha, eu assumo. Tinha todo o tempo do mundo para tudo isso e deixei que tudo se empilhasse. Azar, o jeito é correr.
Hoje, acordo às 8:00, tendo ido dormir às 1:14 da manhã. E mesmo assim, o sono veio forçado. Na cabeça, a pilha de tarefas se colocava por ordem de importância. E tudo era importante. E tudo era pra ontem. E eu não conseguia dormir.
Sem tempo. Eu fiquei sem tempo, mesmo com todo o tempo que eu tinha. Agora, coloco os óculos vermelhos, sento na cama, me enrolo entre pilhas de papéis, cadernos, anotações, vídeos, computador e pesquisas. Sou muito enrolada e me odeio por isso. Azar, o jeito é correr.
E eu me pergunto por quê. Por que raios tudo está quase um caos?
Empurrei com a barriga, me respondo. O mal do ser humano é se firmar na incerta certeza de que o amanhã vai sair como o planejado (e tomaaaaaaaara que ele saia!). Mas na verdade, eu não deixei tudo enrolado só por ter a 'certeza' de que teria meu amanhã. Deixei porque tinha a certeza de que todo o tempo do mundo que eu tinha livre, era todo o tempo que eu não aproveitava mais. Deixei tudo enrolado, pra ter a certeza de que eu não iria enlouquecer. Deixei tudo um caos, pra me colorir. A mim e as relações que sustento. E mesmo que a loucura e o desespero que me batem agora, não chegam ao mindinho da loucura em que eu estava caindo. Sorte, o jeito é correr.