O traje da noite

Era pra ser naquela noite. Lindo, estontanteantemente lindo. Preto, porque combinava com o cabelo dela. Isso foi ele quem disse. Uma fortuna economizada, por ele.
Sim, ele representava muito mais que o traje ideal. Representava a vontade de se sentir dotada de uma beleza nocauteante e uma felicidade absurda. Por água abaixo. Na fita métrica alheia, talvez ela meça menos que outras coisas.
Então, fica por lá. Lá dentro da capa, pendurado no armário, até quando lhe for útil de novo. Até quando essa felicidade absurda, voltar a fazer, dela, palco de seu espetáculo. Pena que só acontecesse uma vez por ano.

2 comentários:



Renata Fontanetto. disse...

tem certeza que você vai deixá-lo guardado dentro da capa?
não vou deixar. só acontece uma vez por ano e a gente pode reinventar esse um dia a cada dia. saudades mil.

Juliana Spotto. disse...

Concordo com a Rê.
Reviva a felicidade de dentro da capa à cada instante.

(É a ju, haha)

Postar um comentário