Retrospectiva introspectiva

Acho engraçada essa época de réveillon. Todo mundo olha pra trás, vê onde errou, onde acertou e para. Para pra fazer uma listinha do que não realizou esse ano e pretende fazer no ano que chega. Para pra colocar no papel, os planos para os doze meses seguintes. Eu sempre fiz isso.
No entanto, hoje quando peguei a minha listinha do ano passado, cheguei a conclusão de que dos meus dez itens, só realizei um: conseguir ficar na faculdade. Não viajei pra outro país, nem viajei muito pelo meu. Não parei de comer chocolate, não me controlei com doces e muito menos entrei pra academia. Não comecei uma nova língua, não li todos os livros que planejei. Fui passada pra trás. Não pulei de asa delta, nem subi o costão de Itacoatiara. Não, eu não cumpri meus planejamentos.
Tenho um sério problema com planejamentos. Sempre os faço da hora que eu acordo, até o fim do dia. Mas esse ano foi tão diferente. Fiquei bastante tempo me aproveitando e fazendo as coisas que eu gostava.
Estudei design. Fiz um cruzeiro e fiquei de madame por uma semana. Firmei compromisso. Fiz trabalho voluntário. Perdi contatos. Dei aquele nó forte, que ninguém desata em muitas amizades. Senti saudades da época que eu queria que passasse rápido. Me formei. Conheci gente nova. Fiz laços que se desamarraram. Fiz laços que a cada dia se tornam mais fortes. Ralei pra conseguir o que queria. Desfiz o compromisso com um abraço. Chorei, sorri, gargalhei, me emocionei, perdi a paciência, quebrei a cara. Levantei depois de um tombo. Andei por caminhos que não eram os meus e me perdi. Me achei. Disse 'eu te amos' seletos. Ignorei gente. Me entreguei. Me retirei quando encontrei minha hora. Fiz meu nome. Abracei oportunidades que tinham tudo pra dar errado. Acertei. Fiz julgamentos. Errei. Briguei. Fiz as pazes. Saí sem hora pra voltar. Saí com hora marcada. Encontrei ombro amigo inesperado. Fiz as malas e fui. Fiquei em dúvida. Me mantive firme. Fui fraca. Escolhi. Mudei de rumo. Me encantei. Me deslumbrei e puxaram minha orelha. Amei. Fui amada. Descobri a diferença entre amor e paixão. Encontreio cúmplices. Me desvendei. Permiti que conhecessem o que não conheciam. Fui à praia a noite ver estrelas. Pedi abraço. Rejeitei abraço. Pulei nas costas. Surpreendi as pessoas. Fui surpreendida. Fui ombro amigo. Quis bater. Quis beijar. Quis nunca mais ver. Quis saber por quê. Quis deixar. Quis procurar. Senti saudades. Fiz o que nunca achei que poderia fazer. Tive um amor platônico. Auxiliei um amor platônico. Achei que iria ter de largar a faculdade. Me joguei sem pensar duas vezes. Me descobri mais impulsiva que nunca e mais racional que nunca. Me tornei mais prática. Tive medo de perder. Corri atrás. Provei que era capaz. Aprontei. Fiz pelas costas. Pedi desculpas. Assumi meus erros e dei a cara a tapa. Tive medo e não agi. Fui infatil. Fui madura. Fui insensata e sensatíssima. Tive vergonha e não fiz. Perdi a vergonha e fiz. Dei confiança e descobri que não deveria. Não dei confiança. Dei confiança e não me arrependi. Conquistei pessoas e fui conquistada por elas. Dividi segredos. Divido segredos. Escondi o que não deveria. Magooei alguém. Fui magoada também. Ganhei bolsa na faculdade. Consegui fazer contato com quem achei que seria difícil. Cantei, dancei, escrevi, falei na cara, falei por trás, bati de frente, gritei, dormi fora de hora, me atrasei, cheguei adiantada, agarrei, tive vontades, segui desejos, mudei diversas vezes o visual. Menti, chamei pra sair.
Já disse que chorei? E que sorri? E que amadureci?
Já disse que ocorreram reviravoltas e que muita coisa não está igual ao que era no início?
Já disse que olhei muito pra dentro e sei mais do que nunca quem eu sou e o que eu quero da minha vida? E que apesar de não ter seguido meus planos, já disse que fui extremamente feliz?
Eu fui, eu tô sendo. Então, pro ano que vem, não quero parâmetros de objetivos. Quero objetivos que apareçam do nada. Quero sonhos de uma noite pra outra. Quero atos inesperados e dias mais inesperados ainda.
Esse ano começou com uma propaganda que dizia '2000inove'. Eu inovei, mudei, fiz e aconteci. E se há algum plano pra 2010, ele seria simplesmente o plano que todo mundo deveria fazer: viver. No melhor sentido do verbo.


E pra você que chegou até o final do texto, ou pra você que passou o olho e parou aqui:
Uma virada ESPETACULAR. Que a ilusão de que um novo ciclo começa de um minuto pra outro, seja real. E eu desejo que o gás que essa passagem de um minuto pro outro nos dá, seja o mesmo gás com qual você vai movimentar seus dias daqui por diante. Feliz Ano Novo! (:

Eu pontuo, tu pontuas, o amor pontua.

Você deu o primeiro passo? Nem me venha com esse papo de novo. Me atirei nos seus braços.
Seus olhares? E quanto aos meus? Te quis antes de você me querer e é um fato.
Você que tomou atitude? Ora, anda bebendo escondido? Sempre fui o macho desta relação.
Oi? A palavra final é sempre minha? Eu nunca fui mandona e nem vem dizer o contrário. Tá rindo de que?
Odeio sua risada. Tosco.
Eu sei que eu não sou perfeita. Mas chego bem mais perto que você, da perfeição!
Por que? Eu nem tenho esse jeito esquisito de falar, que atropela palavras. Sei me expressar muito bem. Esse brilho dos seus olhos que você acha legal, acho cafona. Esse seu jeito velho então...humpf, insuportável!
O que eu penso que você é? Quer mesmo saber?
Então por que me perguntou?
Quer que eu vá embora? Tem certeza disso? Se eu for, não volto mais.
Você não quer mais nada? Tá me dando um pé na bunda, é isso mesmo?
Ousadia!
Volta aqui, não me deixa falando sozinha. Tá pensando que é quem?
Ei, ei!
Só pra você saber, eu te odeio. De verdade, te odeio! E quem vai terminar com você sou EU!
[...]
From: me
To: you

Não que eu goste de ser a palavra final mas, você me perguntou o que eu penso de você...então eu lhe devia uma resposta. Eu penso que você é lindo quando atropela tudo o que diz e que eu simplesmente enlouqueço quando você gesticula porque não sabe como se expressar.
Me derreto com o brilho dos seus olhos. Passaria a vida inteira olhando pra eles se preciso. Seu jeito de velho? É o que faz minha barriga doer de tanto rir, por te ver reclamar de tudo o tempo inteiro. Sua risada? Escandalosamente gostosa de se ouvir.
Eu menti quando disse o contrário pra você. Menti também, quando disse que eu era quase perfeita. Fui sincera quando disse que você não era perfeito. Não, você não é e por favor não queira ser.
Você é cheio de defeitos que tenta esconder de mim. E eu...ah, eu sou mais que um poço de defeitos, sou um oceano deles, e faço questão de te mostrar todos os dias, pra que você aprenda a lidar com eles e me queira por perto mesmo assim.
Tá, eu sei que sou prepotente e que a última palavra tem que ser sempre minha. Eu sei que sempre quero pontuar por último. Portanto, vou fazer isso mais uma vez. Você colocou um ponto final e eu acrescentei mais um. Mas sabe, na gramática não existe '..', então eu vou colocar mais um ponto e tudo isso vira reticências, ok?
Beijos.

O Amor sempre traz consigo reticências...